Estudo da eerp revela que mudanças em serviço de saúde ajudam descoberta de tuberculose

22/08/2012 19:13

Camila Ruiz / Assessoria de Imprensa da EERP

Na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, uma pesquisa aponta que é necessário rever o processo de trabalho dos serviços de saúde para a descoberta precoce de casos de tuberculose, a chamada Busca de Sintomático Respiratório (BSR). A descoberta acontece a partir do questionamento de sintomas respiratórios como presença de tosse há três ou mais semanas de duração. Para que a busca aconteça, a enfermeira Beatriz Estuque Scatolin, autora do estudo, defende melhorias na capacitação e formação dos profissionais de saúde nessa área, especialmente, dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) que mantêm vínculo mais próximo com a comunidade.

Para o estudo foram entrevistados 210 agentes comunitários de saúde, em dois municípios brasileiros, Natal (Rio Grande do Norte), e Ribeirão Preto, (São Paulo), considerados prioritários para o controle da tuberculose, segundo o Ministério da Saúde. Em Natal, as principais fragilidades reveladas pelo estudo foram em relação à estrutura dos serviços de saúde para a BSR. Entre elas, a baixa utilização da baciloscopia de escarro teste que confirma o diagnóstico de tuberculose pulmonar, ausência de geladeira para armazenar a amostra de escarro e a falta de laboratórios responsáveis pelo recolhimento dessas amostras.

Já em Ribeirão Preto, além da baixa utilização da baciloscopia de escarro, verificou-se ausência de livro de registro de sintomáticos respiratórios, falta de profissionais da atenção básica, responsáveis pelo cuidado do doente, e de rotina sistematizada para o atendimento do suspeito de tuberculose. Outros fatores preocupantes nas duas cidades, diz a pesquisadora, são a fragilidade na ação de investigação da tosse nas visitas domiciliares; a falta de oferta de pote de escarro; falta de parcerias com a comunidade para a BSR e para discussões sobre a tuberculose.

Na percepção dos Agentes Comunitários de Saúde, houve satisfação no treinamento e preparo dos agentes para o controle e identificação da tuberculose. A boa notícia é que as informações sobre a doença que chegam a comunidade, a participação dos agentes em discussões sobre a tuberculose no serviço de saúde e o apoio institucional em situação de suspeita da doença são adequados, diz a pesquisadora.

Segundo Beatriz, para melhorar a situação encontrada é preciso dar ênfase na educação permanente em saúde, além de capacitar e melhorar a formação desses profissionais, especialmente os agentes comunitários que mantêm vínculo mais próximo com a comunidade.

Uma ação compartilhada entre os vários seguimentos sociais como meio de fortalecer as ações à tuberculose, em especial a busca precoce por sintomas, também é apontada como fundamental pela pesquisadora. A enfermagem como supervisora do trabalho dos agentes possui um papel fundamental no êxito na BSR, conclui Beatriz.

A dissertação A Busca de sintomáticos respiratórios de tuberculose pelo Agente Comunitário de Saúde em dois municípios prioritários: Natal e Ribeirão Preto foi orientada pelo professor Pedro Fredemir Palha, da EERP, e defendida em março deste ano.

Mais informações: (16) 3602-3949, com o professor Pedro Fredemir Palha


Fonte: USP

http://www.salariominimo.net/2012/08/21/estudo-da-eerp-revela-que-mudancas-em-servico-de-saude-ajudam-descoberta-de-tuberculose/